Exposição ao sol

A exposição solar inadequada pode ser um grande perigo para a saúde da pele. As taxas de concentração das radiações UVA e UVB variam de acordo com o período do dia e oferecem diferentes consequências como o envelhecimento precoce e o câncer de pele. Por isso, o DermaClub conversou com a dermatologista Juliana Jordão, do Paraná, que explicou quais são os riscos de tomar sol em horários impróprios, como se proteger nos momentos de pico e dicas para cuidar de uma pele queimada. Confira!

Saiba quais são os riscos de se expor ao sol em horários impróprios
Segundo a médica, expor-se ao sol possui sempre um risco. “Durante todo o período em que o sol está incidindo na terra existe a presença da radiação UVA, responsável pelo envelhecimento e o surgimento de manchas. Além disso, entre dez horas da manhã e quatro da tarde somos atingidos também pela radiação UVB, grande responsável pelo câncer de pele. Por esse motivo, sair sem proteção solar é assumir o risco de envelhecer precocemente ou ainda desenvolver a doença no futuro”, explicou, lembrando que essas alterações surgem, geralmente, após os 40 anos.

Leia também: Terçol

Descubra qual é o momento mais indicado para o banho de sol
De acordo com a dermatologista, o melhor horário para o banho de sol é antes das dez horas da manhã e após as quatro horas da tarde – nos estados que aderem ao horário de verão, durante esse período o horário passa a ser antes das onze da manha e após as cinco da tarde. Lembrando sempre que, para proteger-se do fotoenvelhecimento, o fator de proteção presente no filtro deve ser maior ou igual a 30.

Dermatologista explica como deve ser a proteção contra a radiação em horários de pico
Para Dra. Juliana, o ideal é manter-se em um ambiente coberto. “Quando isso não é possível, sugiro o uso de chapéu, guarda-sol, filtro solar – sendo reaplicado a cada duas horas – ou ainda roupas com proteção ultravioleta – peças com tecido especial aderidas ao corpo”, esclareceu, afirmando que esse tipo de roupa é muito indicada para crianças e pessoas com fatores de ricos para câncer de pele.

Entenda como cuidar da pele com queimaduras
Muitas vezes, por descuido, a pele acaba tendo contato com o sol estando desprotegida. A dermatologista disse que os cuidados variam de acordo com o grau da lesão. “No caso de queimaduras leves, sem formação de bolhas, orientamos apenas o uso de cremes hidratantes, evitar novas exposições sobre o local e, quando o paciente apresenta ardência, cremes calmantes ou compressas geladas de chá de camomila”, explicou.

“Já para as queimaduras mais severas, com bolhas ou sintomas de insolação – diarreia, tontura e fraqueza – é importante procurar atendimento para avaliação do caso e hidratação venosa, se necessário”, pontuou.

*Os dermatologistas especialistas são consultados como fontes jornalísticas e não se utilizam deste espaço para a promoção de qualquer produto ou marca. Para saber qual é o tratamento ideal para a sua pele, consulte um dermatologista da Sociedade Brasileira de Dermatologia.

Add a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *